[kads group="topo-1"]


Cabeça erguida

Cabeça erguida

Quando começamos a nos libertar dos grilhões da matéria e passamos a compreender a vida pela perspectiva do espírito, abrimos caminho para uma nova visão de mundo que nos permite perceber a realidade de uma forma mais ampla, coerente e harmônica e que certamente nos permite uma existência mais plena e serena.

Esse ‘viés espiritual’ deve estar presente a cada instante de nossas vidas posto que servirá como uma viga mestra que dará uma sólida sustentação a todos os nossos atos e pensamentos e facilitará nosso processo de tomada de decisões a cada desafio que a vida nos apresentar.

Isso não quer dizer que a pessoa espiritualizada deva se recolher em isolamento, afastando-se das lides materiais e do convívio social. Pelo contrário! Quem opta por viver de acordo com a perspectiva espiritual o faz sem que isso signifique afastamentos das tarefas cotidianas ou qualquer espécie de negação dos desafios que a vida na matéria nos proporciona. Vivemos e convivemos normalmente como qualquer outra pessoa e aplicamos essa visão diferenciada da realidade indistintamente a toda e qualquer situação do nosso dia-a-dia.

Ao assim fazermos, também devemos ter em mente que não nos tornamos blindados e imunes a falhas, e que também estaremos sujeitos – assim como qualquer outra pessoa – a vivenciar provações e expiações ao longo de nossa jornada. Os desafios surgirão novamente e cabe a cada um de nós justamente saber utilizar nos momentos oportunos todo o ferramental que possuímos – inclusive quanto ao alcance da realidade espiritual – para que possamos superar cada situação da melhor maneira possível, sem desespero ou sequelas.

Quando conseguimos nos autoconhecer de forma suficiente e atingimos uma percepção cósmica de nossa existência, acabamos por alcançar um grau de impassibilidade frente a todos os possíveis sofrimentos que viermos a experimentar. Sabemos que o Creador representa a mais sublime justiça e bondade e que tudo aquilo que vier a nos acontecer está de acordo com essa Lei maior de justiça, não havendo espaço para exasperação, revolta ou incompreensão.

Aprendemos que a vida certamente nos dará alguns tropeços, mas que temos que enxergá-los não como algo negativo, mas sim como oportunidades de correção de rota, de aprendizado, de avaliação.

Percebemos que independentemente da situação que teremos que enfrentar, devemos sempre manter a cabeça erguida, com dignidade e a certeza de termos nos doado ao máximo e feito o nosso melhor, independentemente se sairmos perdedores ou vencedores em uma dada situação.

A caminhada para alcançarmos essa percepção espiritual da vida se faz de forma gradual, sendo importante darmos ao menos o primeiro passo nessa ampliação de nossos horizontes. Só assim poderemos – de cabeça sempre erguida – ter a certeza de estarmos trilhando o caminho da harmonia, do amor e da felicidade.

Rodrigo Fontana França

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França