[kads group="topo-1"]


Comum não é normal

Comum não é normal

Às vezes nos surpreendemos ao encontrar pessoas que – certamente desgostosas com os vários desvios de comportamento que assistem em seu dia-a-dia – afirmam ter dificuldade em distinguir o que é certo e o que é errado, tamanhas são as iniquidades por si presenciadas e que em alguns casos ficam aparentemente impunes.
Essa apatia apresentada por alguns indivíduos que parecem ter perdido sua capacidade de se indignar frente a injustiças ou quaisquer condutas que desrespeitem outros indivíduos é algo absolutamente pernicioso tanto sob o ponto de vista social quando sob uma ótica espiritual.
Todos nós vivemos sob a égide de uma Lei de Progresso através da qual percebemos que fomos creados em um idêntico grau de simplicidade e ignorância, mas todos perfectíveis, ou seja, todos tendentes a alcançar o máximo grau de adiantamento moral intelectual possível.
A intensidade e a velocidade com que esse aprimoramento se dará dependem exclusivamente da qualidade das escolhas realizadas através de cada uma de nossas incontáveis encarnações, sendo certo que por mais que possamos retardar nossa caminhada pelo progresso, jamais poderemos estagnar ou involuir. Por mais lenta que possa ser, a caminhada sempre se faz no sentido do progresso!
Se verificamos que ainda remanesce em nossa sociedade certa tendência para determinados comportamentos desviantes, isso certamente se dá em razão de não sermos – enquanto sociedade – suficientemente evoluídos, de não termos ainda alcançado um grau suficiente de civilidade. É aí que entra a importância de as pessoas de bem se unirem e agirem para modificar esse quadro nefando.
Que a vida aqui na Terra é repleta de desafios complexos e que ainda temos, todos nós, muito a aprender, é algo fácil de constatar. Contudo, não há motivo para desânimo ou para que as pessoas que já alcançaram um grau um pouco mais profundo de percepção moral se sintam estéreis a ponto de não mais se indignarem ao presenciar algo errado sob a alegação de que tal desvio seria algo normal.
Certos desvios podem até ser considerados comuns, corriqueiros. Contudo, aquilo que é normal, que é conforme a regra, que segue a Lei Divina de Progresso, é que tudo tenda sempre para o bem, para a melhora, para um maior equilíbrio.
Para que esse progresso se dê de forma cada vez mais intensa, não se pode admitir que as pessoas de bem deixem de fazer a necessária mudança que lhes incumbe imprimir na sociedade simplesmente porque em determinados momentos os desvios se fazem comuns.
Não podemos ficar indiferentes em relação a nenhuma espécie de injustiça. Para que possamos superar as limitações e os caminhos desviantes do lugar-comum é necessário que saibamos buscar nos adequar a cada momento ao caminho normal, qual seja, o do pleno cumprimento das Leis de Deus, dentre as quais a Lei de Progresso.
Devemos aprender a viver e sofrer nossas convicções, sem nunca deixar espaço para apatia ou indolência. Jamais podemos perder a capacidade de discernir o certo e o errado, ou de nos indignar ao presenciar alguma injustiça. Só assim poderemos superar as limitações que acometem tanto a nós quanto a sociedade em que estamos insertos.

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França