[kads group="topo-1"]


DIANTE DA DOR

DIANTE DA DOR

A dor é o chamamento que permite ao homem fazer identidade, alcançar-se, ser. Só é capaz de administrar bem, com procedência e firmeza, as experiências do trânsito terreno, aquele que alcançou o conceito e a vivência plena da simplicidade, do desprendimento e do encontro com o Creador. O homem que medita, avalia as suas ações, faz reflexões, não teme o cotidiano. Manejando com coragem as provações, está pronto a cada segundo a renunciar às coisas materiais. É capaz de decodificar com nitidez e segurança os sinais, as mensagens que recebe do Creador.

O homem espiritualizado apresenta equilíbrio físico, moral, mental e espiritual, sem arrogância, preconceitos ou qualquer atitude que desconsidere a outra pessoa. A certeza de eternidade produz, naquele que se traduz, no mundo dos fatos, em alegria, compreensão e satisfação; assim, cada dia representa construção, conhecimento, esperança, certeza de que o futuro não acontece senão pela força do seu trabalho.

A espiritualidade sensibiliza o homem a fazer pergunta constante ao seu próprio ser, revitalizando o seu autoconhecimento, fortalecendo a sua consciência.

O autoconhecimento, a disciplina pessoal, ensina criteriosamente o homem a se internalizar, a ouvir o seu próprio interior. Quem crê na eternidade, crê na qualificação da vida pelo amor. Quando o homem espiritualizado aporta na plataforma da dor, imediatamente procura o significado daquele momento, não se revoltando, não se agredindo, não se maldizendo. A prece sincera lhe traz a certeza de um amanhã melhor. A conquista da tranquilidade, do equilíbrio, resulta da sua maturidade. O processo reencarnatório coloca o espírito encarnado em contato com a dor nas mais diversas situações, fortalecendo naqueles que buscam o bem o autoconhecimento, o aprendizado.

Não devemos esquecer que a educação terrena está fundamentada na diversidade das experiências que a Sabedoria do Creador nos proporciona, para, através do livre-arbítrio, evoluirmos com dignidade.

O homem que se autoconhece, que faz espiritualidade, está sempre a serviço da humanidade, fazendo o aprendizado do amor. Quem se predispõe a conhecer, a vivenciar a eternidade, a espiritualidade terá que humildemente compreender que nos momentos tranquilos terá que trabalhar atentamente, procurar se desprender das coisas comezinhas da Terra, saber tolerar o próximo, avaliar todos os chamamentos, manter a alegria, fazer coragem, para que nas horas da dor, da dificuldade, possa administrar o existente com dignidade, trabalhando com serenidade, sendo espontâneo, cumprindo o seu dever.

O homem que se autoconhece, que faz exercício de espiritualidade, vive a eternidade na plenitude da fé no Creador, compreende as provações da dor, é paciente, sereno e calmo, fazendo do seu cotidiano a certeza de que o bem é a força construtiva que vence sempre.

O trabalho consciente aquece e ilumina a caminhada do homem.

 

 

Trecho do livro, COMO O HOMEM PODE ENFRENTAR UMA CRISE

Compartilhe: