[kads group="topo-1"]


Estamos ajudando?

Estamos ajudando?

Estamos ajudando as pessoas a realizarem seus sonhos, seus projetos, a alcançarem seus objetivos? Quem sabe essa seja uma das formas de “ser feliz na felicidade do outro”.
Quais são os sonhos do companheiro ou companheira? Dos filhos? Dos colaboradores da empresa? Todos temos objetivos, projetos, em diferentes setores de nossas vidas. E como certamente já realizamos alguns, temos conhecimento de quão bom e importante é alcançá-los.
Ajudar alguém a realizar seus projetos não significa retirar da outra pessoa a responsabilidade pelas ações e por seus desdobramentos; não significa fazer o que a outra pessoa deveria fazer. Mas pode significar, de forma geral, não atrapalhar, apontar alternativas, trazer reflexões, confiar, apoiar, orientar, dedicar-se.
Para ajudar uma outra pessoa é preciso libertar-se de si próprio; o tempo que eu dedicaria a mim, passarei a dedicar a outros. A realização do outro passa a ser a minha realização.
Quantas vezes progredimos porque alguém se dedicou aos nossos sonhos, aos nossos projetos? Qual o valor de tantas ajudas que recebemos? Como agradecer o que recebemos?
Estendendo a outras pessoas nossos recursos e competências pode ser uma alternativa interessante. Conhecendo mais a si mesmo de tal forma a conseguir ajustar prioridades é fator essencial.
Nelson José Wedderhoff

Compartilhe:

Sobre o Autor

Nelson José Wedderhoff

Nelson José WedderhoffEngenheiro Eletrônico; Professor Acadêmico na Faculdade Doutor Leocádio José Correia (FALEC); Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas; e Conselheiro Editorial da revista SER Espírita.

Todos os Posts de: Nelson José Wedderhoff