[kads group="topo-1"]


Leitura de mundo

Leitura de mundo

Quando percebemos que o grande significado de nossa passagem pela Terra é de aprendizado, invariavelmente nos damos conta de que o aproveitamento que faremos da presente encarnação será tanto mais intenso quanto maior for a dedicação reservada para haurirmos novos conhecimentos.
Em nossa incessante busca por depuração, pela superação de nossas limitações e imperfeições encontramos em nossa existência material um terreno fértil para passarmos por todas as provas e experiências necessárias para bem atingirmos esse louvável objetivo.
Quanto antes formos capazes de realizar tal percepção, maiores e melhores serão as oportunidades que teremos para atingir esse desiderato. É certo, porém, que a porta que conduz ao caminho do pleno alcance de nossas metas reencarnatórias é na maioria das vezes bastante estreita o que nos faz perceber que seu alcance jamais se dará por mero acaso ou por um golpe de sorte, dependendo necessariamente de grande dedicação
Ao falarmos em aprendizado, uma das primeiras coisas que nos vem à mente é a leitura e o papel fulcral que tal atividade desempenha em nosso desenvolvimento. Tal é a importância dos livros para o nosso intelecto que muitos chegam a chamá-los de ‘alimento espiritual’ posto que tal ferramenta tende a saciar a nossa fome e sede de conhecimento.
Infelizmente, como bem sabemos as estatísticas de leitura entre os brasileiros estão sempre bastante aquém do que pode ser considerado ideal, havendo um imenso contingente de pessoas que não lêem sequer um livro ao longo do ano, enquanto é consabido que em países mais desenvolvidos tal hábito é muito mais disseminado.
Ora, se falamos tanto em aprendizado, evolução e progresso, é da mais extrema importância que nos mobilizemos para enfrentar e modificar essa lamentável realidade, o que pode ser feito, por exemplo, a partir do estabelecimento de metas pessoais de leitura e do fomento de tal hábito através de atitudes simples como por exemplo a criação de bibliotecas comunitárias e clubes de leitores em nosso local de trabalho ou nos centros espíritas que frequentamos.
Seguindo essa perspectiva de otimização de nosso aprendizado durante a experiência terrena, além do relevante aspecto da leitura formal de livros, devemos atentar à forma como concebemos, percebemos e conscientizamos a realidade que nos cerca em seus mais ínfimos detalhes. O modo como enxergamos a realidade diz muito sobre quem somos e o grau de adiantamento moral e espiritual que já alcançamos.
Assim como fazemos com os livros, essa leitura da vida e do mundo também pode e deve ser amplamente praticada e incentivada. É preciso que tenhamos a mente sempre aberta a novas ideias e a capacidade investigativa de percebermos a todo instante a grande harmonia que existe na complexidade da existência.
Um grande passo para nos aprofundarmos nesse objetivo de uma melhor leitura do mundo e da realidade seria adotarmos como objetivo de vida nos habituarmos a sempre refletir ao invés de simplesmente repetir.
Assim como (infelizmente) existem muitas pessoas que são alfabetizadas e não têm capacidade mínima de interpretar e compreender um texto – são os chamados analfabetos funcionais – há também aqueles que passam pela vida sem nunca se deter em questionamentos sobre seu papel no mundo e como fazer para alcançar tudo aquilo a que se propuseram.
Ambas as realidades podem ser modificadas desde que haja por parte de todos comprometimento e incentivo. Como sempre, o caminho para a mudança de hábitos pode não ser o mais simples e nem o mais cômodo. Contudo, certamente será o que trará maior satisfação e maiores êxitos em nossa busca pelo progresso.

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França