[kads group="topo-1"]


NA INDAGAÇÃO DO MEU SER

NA INDAGAÇÃO DO MEU SER

Hoje percebi que meu pensamento é maior
que o meu corpo.
No imediato, conclui que meu ser é uma
totalidade complexa de consciência que me
permite ser.
Na observação difícil de avaliar o meu corpo,
alcanço sempre o sentido pertinaz e eficiente de
que não deixo de ser, em toda a sensibilização,
a profundidade somática.

Sendo o espírito, sentindo o corpo, vivendo as
emoções, procurando na intimidade do meu
ser o meu próprio ser, descubro que há um
universo do qual eu faço parte, que só saberei
avaliar na continuidade da vida.
São tão profundos os suspiros de ser a saudade
do que fui, e também do que quero ser, que
chego a confundir algumas vezes a realidade
com a ilusão.

Na corporeidade, sinto que vou gradualmente
fazendo a mundanização.
Meu corpo e minha alma, em unidade, falam a
linguagem do que sou.
No sofrimento e na alegria há sempre a
certeza de estar ali, aqui, de ser a essência do
acontecendo.

No conhecimento, faço a expressão do manejo
da própria vida.
Na sabedoria, expresso todo o significado do
que aprendi.
É interessante que, na força de experimentar,
faço o alcance da pessoa percebendo
nitidamente que há em mim um mais profundo
que faz toda a sustentabilidade do meu ser, da
minha imortalidade.
Sou a vida, na complexidade da vida.

Texto extraído do livro
A essencialidade da minha consciência, em 14 de agosto de 2015

Compartilhe: