[kads group="topo-1"]


Quanto vale uma oportunidade?

Quanto vale uma oportunidade?

Estamos na Terra e o tempo está passando. Eventualmente, dependendo do tempo que já vivemos aqui, olhamos para trás e reparamos que marcas foram deixadas ao longo do caminho. Convivemos com pessoas, dissemos e fizemos coisas. Em outros momentos não dissemos, não fizemos. Qual o resultado dessa trajetória até aqui? Que marcas estamos deixando?
No filme “A dama de ferro”, no qual a atriz Meryl Streep interpreta a ex-primeira ministra da Inglaterra Margareth Tatcher, destaca-se uma frase que teria sido dita pela personagem ainda em sua juventude: “A vida deve significar mais do que isso. Não posso morrer lavando uma xícara de chá”. Com essa frase Margareth Tatcher deixava claro sua visão sobre realizar durante sua vida algo que, na visão dela, fosse significativo.
O significado do uso do tempo, o significado da passagem na Terra é pessoal, individual. Cada um de nós dá significados diferentes aos momentos que passamos aqui. Muitas vezes optamos por ações relevantes… outras vezes porém, não. E no final de tudo teremos deixado um legado; e para que ele seja pelo menos próximo do que efetivamente queremos fazer, é preciso tomar alguns cuidados, como por exemplo: eu sei o que quero fazer? E o que não quero? Eu sei o que quero vivenciar? E o que não quero? E assim outras várias perguntas podem nos ajudar a descobrir o que vale a pena, e o que não vale.
Cada momento representa uma oportunidade de atuar na construção do que queremos, ou não. Quantas oportunidades já deixamos passar? Pelo que as trocamos? Vale lembrar que elas não voltarão.
Nelson José Wedderhoff

Compartilhe:

Sobre o Autor

Nelson José Wedderhoff

Nelson José WedderhoffEngenheiro Eletrônico; Professor Acadêmico na Faculdade Doutor Leocádio José Correia (FALEC); Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas; e Conselheiro Editorial da revista SER Espírita.

Todos os Posts de: Nelson José Wedderhoff