[kads group="topo-1"]


Reforma Íntima

Reforma Íntima

     Costumamos ter facilidade em apontar as mazelas e as vicissitudes do mundo, e, no mais das vezes, não usamos nem uma mínima parcela desse rigor quando analisamos nossas próprias condutas e pensamentos.

 

     Será assim tão difícil nos convencermos de que os desvios que ocorrem na sociedade são um mero reflexo da mentalidade que predomina entre os cidadãos?

 

     Quando algo não vai bem em nosso entorno precisamos, antes de mais nada, avaliar qual a nossa parcela de contribuição para a ocorrência do problema. Seja por ação ou por omissão, de forma concreta ou apenas através de pensamentos, fazemos parte da massa que ajuda a dar sustentação ao status quo e temos a obrigação de aprender a alcançar e avaliar a nossa real participação para a ocorrência de determinado fato negativo.

 

     Não há outro caminho para uma vida plena e equilibrada que não o do autoconhecimento. Quem não se conhece, não sabe o que quer nem para onde vai, não é capaz de enfrentar os desafios da vida e nem de ajudar de forma suficiente a construir um momento novo, de maior tolerância e compreensão entre todos.

 

     As mensagens trazidas pelos espíritos gravitam sempre em torno de sensibilizar aos que estão encarnados para que aprendam a fazer essa reforma íntima, que possibilitará uma visão de mundo mais plena, um alcance cada vez mais amplo e profundo das razões de ser de nossa existência.

 

      É preciso ter coragem para enfrentar-se a si próprio! Quando apontamos os dedos para a falha de outrem, o fazemos no mais das vezes sem conhecimento de causa e de uma maneira irresponsável, muitas vezes como uma forma de desviar a atenção de nossas próprias imperfeições. Aquele que alcançou uma visão espiritual e equilibrada da vida e que é capaz de viver e sofrer plenamente a força de suas convicções sabe que de nada adianta vociferar contra as mazelas alheias enquanto não houver compreendido e dominado de forma plena suas próprias imperfeições.

 

     Há certas coisas que se constroem de dentro para fora, e esse alcance pleno da vida, de nossos propósitos e desse viés espiritual estão entre elas. Enquanto não nos convencermos dessa responsabilidade que temos por sermos fiéis a nós mesmos – no sentido de dominarmos exatamente nossos limites e potencialidades – não haverá elemento externo capaz de nos modificar.

 

     Cada um de nós guarda em si a capacidade de realizar grandes transformações. Para que possamos assumir esse papel de capacitores de um novo momento e de fomentadores do bem, é imprescindível que façamos essa profunda e constante auto-avaliação de modo a podermos compreender e superar as nossas falhas.

 
Quanto mais pessoas estiverem dispostas a fazer essa importante reforma íntima, mais rápido conseguiremos substituir a mentalidade excessivamente materialista e individualista ora dominante por um novo paradigma de respeito, fraternidade  e equilíbrio nas relações sociais.

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França