[kads group="topo-1"]


A Inteligibilidade do Universo e o meu Ser

A Inteligibilidade do Universo e o meu Ser

Nos caminhos evolutivos, o meu eu, a minha consciência,
O medo de perder, de deixar de ser, de sofrer.

A cada segundo, indagações com variabilidades distintas,
como por exemplo, porque viver? O que é ser?
O que representa se transformar?
O que significa fazer a expressão do próprio ser?

Na reflexão, a releitura das experiências que,
confrontadas com a existência em vivência,
produzem angústias e satisfações; com certeza, mudanças.

Meditar, aprontar o passado com o presente,
num campo crítico de perseverar agora, amanhã e sempre,
conseguimos despontar para entendimentos novos,
descobrimos que na lógica da vida há uma complexidade
que necessariamente precisamos compreendê-la para poder explicar,
nos mais diferentes momentos da existência, os acontecimentos.

Quando observarmos o Universo, a natureza,
percebemos um diferencial nas coisas, nos seres vivos.
Nós descobrimos implicitamente os conjuntos,
buscamos compreendê-los.
NO entanto, precisamos alcançar os estágios do
transdisciplinar,
na árvore da complexidade, para alcançarmos o fruto
que tenha a significação do alimento do
conhecimento.

Na consciência do nosso ser, a expressão do Universo,
da imortalidade, da eternidade, da contínua renovação.

Há em mim a certeza transparente de todo o
Universo, da evolução,
do meu ser em ação, sendo sempre a força da
consciência.

 

Texto extraído do livro
Na busca do meu ser, a indeterminação e a incerteza em 15 de abril de 2016

Compartilhe: