[kads group="topo-1"]


Devemos dar mais razão a um espírito desencarnado do que a um encarnado? Por quê?

Devemos dar mais razão a um espírito desencarnado do que a um encarnado? Por quê?

O espíritos evoluídos sempre respeitam nosso livre-arbítrio e raramente nos dizem o que fazer. Veja abaixo a resposta do espírito orientador que respondeu Allan kardec no questão 461 de O Livro dos Espíritos:
461. Como distinguir os nossos próprios pensamentos dos que nos são sugeridos?
⎯ Quando um pensamento vos é sugerido, é como uma voz que vos fala. Os pensamentos próprios são, em geral, os que vos ocorrem no primeiro impulso. De resto, não há grande interesse para vós nessa distinção e é frequentemente útil não o saberdes. O homem age mais livremente. Se decidir pelo bem, fá-lo-á de melhor vontade; se tomar o mau caminho, sua responsabilidade será maior.
Podemos deduzir que o livre-arbítrio é inviolável e que quem autentica uma mensagem psicográfica, por exemplo, é o médium, que conhece a si mesmo e saberá distinguir se aquele conteúdo é seu ou não. E o destinatário da mensagem poderá discernir se aquele conteúdo tem algum sentido construtivo ou não.

Compartilhe: