[kads group="topo-1"]


É adequado fazer regressão para compreender melhor alguns aspectos de minha vida?

Eu gostaria de uma orientação. É adequado fazer uma regressão? Existem alguns aspectos interessantes de minha vida que gostaria de compreender melhor e creio que, por meio deste recurso, talvez algumas coisas fiquem mais claras. Com quem devo conversar?

 

Entendemos que a reencarnação inclui características como o esquecimento seletivo, relativo e temporário, de modo que o espírito possa exercitar conhecimentos adquiridos anteriormente sem que algumas memórias gerem constrangimentos ao encontrar pessoas, enfrentar situações, tentar superar limites ou separar diferenças de opinião. Como o esquecimento reencarnatório faz parte da natureza da vida, podemos depreender que violar este processo pode trazer riscos para quem o exercita. Há casos conhecidos de pessoas que fizeram o processo de regressão e sofreram graves desequilíbrios psicológicos e emocionais. Em uma das suas aulas, o espírito Antonio Grimm (orientador da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas – SBEE) foi taxativo ao dizer que o Espiritismo não recomenda a regressão.

O Espiritismo propõe e promove o autoconhecimento por meio da reflexão e autoquestionamento. Em lugar de tentar descobrir quem fomos e o que fizemos, a Doutrina Espírita propõe a reflexão em torno de quem eu sou, o que sou e o que quero ser. Devemos lembrar que todo o resultado das existências anteriores, tanto no polissistema material quanto no espiritual, já está em nós. Está em nossa escala de valores, em nossas prioridades, no que acreditamos ser certo. O processo de autoconhecimento nos ajuda a fazer estas descobertas e a fundamentar a coragem para viver no dia a dia nossas convicções.

Um exemplo simples: não lembramos do dia na escola que aprendemos a fazer contas de multiplicação. Não lembramos exatamente de quem era o professor ou professora, de quem estava ao lado, da roupa que usávamos, do clima. Mas hoje sabemos fazer contas de multiplicação. Logo, o que aprendemos naquele dia, internalizamos. E isso segue conosco. Não precisamos lembrar dos fatos, mas precisamos olhar para dentro e buscar alcançar nossas convicções, para então vivenciá-las. Seguimos à sua disposição para orientá-lo no processo da autodescoberta pelo estudo dos princípios espíritas.

Compartilhe: