[kads group="topo-1"]


É possível que espíritos desencarnados nos avisem de acontecimentos futuros?

É possível que espíritos desencarnados nos avisem de acontecimentos futuros?

Perdi meu filho em um acidente de automóvel, quando ele voltava do trabalho. No mesmo dia tive um pensamento que me pareceu uma voz: “seu filho vai morrer com esta roupa…”. Isto aconteceu às 7h e às 15h aconteceu a tragédia. Por isso pergunto: é possível que algum espírito tenha tentado me avisar sobre o que viria a acontecer com meu filho e minha família?

Todos nós sabemos muito pouco para poder explicar vários fatos da vida. No entanto, os espíritos insistem que façamos uso da nossa habilidade de pensar avaliando o encadeamento da lei de causa e efeito. Vamos pensar nas consequências desta frase, considerando que ela possa vir de um espírito; uma premonição ou apenas um receio de mãe que se tornou realidade. “Seu filho vai morrer com esta roupa…” ⎯ para esta frase pertencer a um espírito desencarnado ele teria que saber de antemão que o acidente iria ocorrer. Se ele soubesse de antemão, o livre-arbítrio dos participantes que causaram o acidente teria que ser suspenso, pois qualquer desvio de rota, aceleração ou atraso, evitaria a coincidência da colisão. Porém, sabemos que o livre-arbítrio é um princípio inviolável, pois se fosse possível alterá-lo, os bons espíritos impediriam pessoas de cometer suicídio, bandidos de assassinar pessoas etc. Sendo assim, não faria sentido atribuirmos a algum espírito desencarnado a situação relatada.

 

E se esse aviso fosse uma premonição? Também seria a suspensão do livre-arbítrio, mais uma vez?

Sim. Se a frase fosse uma premonição, teríamos que admitir que o acidente estaria programado para ocorrer. Isto nos colocaria de volta na suspensão do livre-arbítrio dos condutores. Com isso nos resta apenas o receio da mãe, que sensibilizada pela imensa violência que nos cerca, considera como real a possibilidade de desencarne do filho querido. Também podemos nos colocar no seu lugar, pensar na possibilidade de perder um filho em algum acidente de ônibus, avião, carro ou outra forma violenta. Neste caso, não seria mais que uma infeliz coincidência o fato de ter pensado na possibilidade e a mesma ter ocorrido. De qualquer forma, seu filho desencarnou, mas não morreu. Continua vivo, lembrando de tudo de bom que vocês vivenciaram nesta encarnação. Seu aprendizado segue e, assim como vocês se encontraram aqui, poderão se encontrar futuramente. Enquanto isso, envie seus melhores pensamentos e faça o que ele esperaria que você fizesse.

Compartilhe: