[kads group="topo-1"]


Edição 10

edicao10

 

PRÁTICA ESPÍRITA: OPORTUNIDADE DE INFORMAR E ESCLARECER –

Em suas mensagens, o espírito Leocádio José Correia nos esclarece que “aprender é mudar comportamento”. E quando pensamos um pouco a esse respeito alcançamos a clareza e a pertinência desta afirmação. Mas o comportamento, portanto, as ações, é resultado de nossas prioridades, valores, objetivos. Ou seja, resulta do que acumulamos até agora ao longo de nossa
existência, e que continuamos fazendo todos os dias, todos os instantes.
E aqui cabe, então, ressaltar o papel da religião no processo de apoio à pessoa, portanto ao espírito, em sua caminhada constante pelo aperfeiçoamento. Sabendo ainda que as mudanças vêm sempre de dentro para fora, ou seja, quando vivenciamos o resultado de nossas ações, reforça-se que a abordagem religiosa promova a autonomia, isto é, a liberdade pela informação, e não a ilusão, o misticismo, a visão de efeitos sem causas lógicas a eles vinculadas.
Assim, o desafio que também se apresenta à prática espírita é de desdogmatizar, desmistificar, trabalhando sempre a atualização da linguagem e do conteúdo, de tal forma que o estudante da Doutrina Espírita alcance cada vez mais sua condição de ser livre, que vive em um ambiente universal justo, e que sempre experimentará resulta dos absolutamente justos e correspondentes às suas escolhas e ações. Esclarecimentos consistentes e logicamente fundamentados contribuirão para que o espírito em evolução não espere por presentes ou milagres, e tão pouco tema castigos. E é com essa ideia de desmistificação que a SER Espírita traz uma reportagem nessa edição a respeito dos conceitos trazidos no livro Nosso Lar, tema do filme homônimo que está em cartaz nos cinemas. Além da reportagem sobre como a Doutrina Espírita explica o que ocorre após o desencarne.
Desta forma, os seres em evolução, portanto todos nós, conseguirão mais facilmente substituir o medo pela perseverança fundamentada no preparo, na consciência de imortalidade, na consciência de igualdade, com uma visão
mais clara sobre a oportunidade que representa cada momento, cada encontro, cada escolha. A prática espírita tem a oportunidade de representar processo de educação social, mostrando e justificando a cada um sua condição de participante responsável pela construção da sociedade, a partir
da sua própria vida.
Boa leitura!

Compartilhe: