[kads group="topo-1"]


Edição 16

edicao16

 

DESMISTIFICAR PARA EVOLUIR –

Não é de hoje que o assunto “obsessão” desperta discussões acaloradas. Mas como um dos objetivos da SER Espírita é promover a desmistificação, temos o dever de levantar a questão e estimular o debate construtivo. Por isso, a tentativa contínua da SER Espírita de oferecer informações que levem à reflexão sobre determinados conceitos que podem ser contextualizados e recontextualizados. E a obsessão é um exemplo. Acreditamos que, assim, as ideias trazidas por Allan Kardec possam ser ainda mais úteis à sociedade, de maneira que promovam o autoconhecimento, a autoconstrução e, consequentemente, a harmonia e o amor.

Nesta edição, a SER Espírita traz este tema polêmico como reportagem de Capa. A ideia é promover uma discussão construtiva e, ao mesmo tempo, incitante. Será que a obsessão pode mesmo ocorrer? Um espírito consegue controlar outro? Ou será que este fenômeno está mal interpretado? As opiniões são muitas, mas cada um, de acordo com o seu referencial e com sua bagagem de informações adquirida em todas as encarnações, poderá fazer análise crítica a respeito do tema.
A mediunidade também deve sempre ser desmistificada. Não se trata de algo que seja privilégio de alguns, mas sim, uma sensibilidade inerente a todos (veja a reportagem da edição 4 da SER Espírita). E a esse respeito, nesta edição escolhemos falar um pouco sobre a psicopictografia – a expressão da mediunidade por meio da pintura – de maneira clara e objetiva.

A SER Espírita também está com novidades em seu site (www.serespirita.com.br). Na seção “Online” você poderá conferir novos colunistas, textos inéditos e interações.

Chamamos a atenção para alguns pontos que não devem ser deixados de lado no exercício da educação. Mais conscientes e instruídas, as pessoas têm condições de tomar atitudes de maneira mais coerente com os acontecimentos da sociedade e, desta forma, com seu livre-arbítrio, conseguem construir de maneira mais satisfatória para si mesmo, e também para todos que estão a sua volta. Assim, a reportagem da seção “Ser Feliz” mostra como os cidadãos podem (e devem) fazer valer os seus direitos, não só porque são direitos, mas sim, porque ser cidadão implica em responsabilidades. Responsabilidades que geram resultados, pois como afirma o espírito Antonio Grimm, um dos orientadores da SER Espírita, “quem não age não é”.

Ótima leitura!

Compartilhe: