[kads group="topo-1"]


Edição 19

edicao19

 

REVENDO A CAMINHADA –
Quem simpatiza ou concorda com os princípios da Doutrina Espírita compreende que a reencarnação é uma das evidências da justiça de Deus. É com a reencarnação que os espíritos têm a possibilidade de rever seus pensamentos e ações, com o intuito de melhorar comportamento, de evoluir.
Partindo dessa ideia, chega-se à conclusão de que todos os espíritos passarão por tantas encarnações quantas sejam necessárias para seu processo evolutivo. Da mesma forma, quem estuda o Espiritismo descobre que existe vida após a vida; que a expressão “vida após a morte” perde o sentido – já que a ‘morte’ não existe – e que todos estão na ‘fila’ do desencarne. Mas, por mais que a Doutrina Espírita ensine que após o desencarne não haverá nenhuma ‘surpresa’ e que ninguém perderá sua identidade, sempre fica a grande dúvida: Como será após o desencarne? O que ocorre no polissistema cultural-espiritual? O que fazer para que o momento da passagem e a ‘estadia’ no mundo espiritual sejam tranquilos? Em quanto tempo ocorre o reencarne?
Não há fórmulas. O Espiritismo ensina que os espíritos devem fazer o máximo para serem melhores em cada encarnação. Assim, a vida seguirá seu transcurso de maneira natural – seja ela no mundo material ou espiritual – e a evolução irá se efetivando.
Nesta edição, a SER Espírita traz o tema “vida após a vida” como reportagem de Capa. É marcada, ainda, por algumas
modificações. As seções Família, Ocupação e Carreira foram introduzidas dentro do corpo editorial. Levando em consideração que o médium é um agente do social; que todas as pessoas são médiuns e reencarnam com a missão de viver e aprender, percebe-se a importância de disseminar os conhecimentos religiosos na família, no ambiente de trabalho, entre amigos, enfim, entre todos os que têm acesso aos
exemplos destes médiuns.
Na seção Saúde, uma grande descoberta que pode, inclusive, iniciar uma série de comprovações científicas sobre as crenças espíritas: pesquisadores da Unifesp, de São Paulo, já estão conseguindo provar que o passe é eficaz no auxílio à cura de algumas doenças. Um passo importante para aproximar a religião da ciência e, quem sabe, comprovar algumas crenças que são, hoje, motivadas pela fé.

Boa leitura!

Compartilhe: