[kads group="topo-1"]


Intolerância religiosa e homossexualidade: qual o papel das religiões?

Intolerância religiosa e homossexualidade: qual o papel das religiões?

shutterstock_135835763

Por Elaine Prada

“A minha experiência com a religião não foi das melhores, embora eu tenha sido bem acolhida e incentivada pelo meu pai a perseverar, a minha condição era vista como pecado e a minha presença na igreja era tida como um caminho para a cura. Eu me questionava constantemente: se não sou doente, porque querem me curar?”
A indagação é da jornalista A.P., de 28 anos. Ela é homossexual e sempre teve dúvidas sobre as afirmações da igreja a respeito de sua opção sexual.
T.M., administrador de 32 anos, também homossexual, indaga da mesma forma. “Meu pai não me aceita até hoje, não entende e não faz questão de entender. Sem o apoio incondicional da minha família, busquei suporte em algumas igrejas, mas o fato é que não me senti compreendido em nenhuma delas, além disso, vejo constantemente citações de ódio por membros da igreja na TV que me fazem repensar a fé e vendo essas situações, a necessidade que tinha por uma busca espiritual, nem sei se tenho mais.”
Relatos assim não são difíceis de encontrar. Muitas religiões – e é importante deixar claro que nem todas se encaixam nesse perfil – estão sendo utilizadas como plataformas de promoção para pessoas ambiciosas, que apoderam-se de discursos medievais e da fé do povo, para incitar o ódio, fazendo exatamente o contrário do que a igreja ou mesmo os ensinamentos cristãos ensinam.
Diante da diversidade e da isonomia que a natureza apresenta, e diante da reencarnação e da evolução continua, quem de nós estará livre de encarnar um dia com sentimentos semelhantes?
Para o diácono Augusto Langa, essa religião que condena não é a “igreja de Deus”, mas sim, a igreja dos homens. Segundo Langa, a religião não deve ferir a liberdade e a dignidade humana, mas sim, acolher e orientar, de acordo com sua interpretação do que é correto e justo. Ele lembra ainda que a religião deve aceitar a diversidade sempre. “É nesse momento, inclusive, que as igrejas precisam demonstrar a solidariedade e a fraternidade que tanto pregam”, analisa Langa.
Dicionários revelam que intolerância significa a falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças, intransigência com relação a opiniões, crenças e o modo de ser que reprovamos ou julgamos falsos. Percebe-se que a intolerância está em todo o lugar e não há necessidade de ir muito longe para se encontrar sinas de profunda austeridade.
Para o sociólogo e teólogo espírita, Guilherme Knopak, dentro da ótica do Espiritismo a homossexualidade é uma grande oportunidade de aprendizado e evolução. “A homossexualidade representa um espaço de expressão que permite ao espírito agregar valores e saberes para a sua trajetória reencarnatória”, analisa. Ele lembra que o Espiritismo não discrimina. “Não podemos reduzir nenhum indivíduo a uma capacidade ou atributo, mas entendê-lo em sua integralidade”, conclui Knopak.
O sociólogo e teólogo espírita utiliza-se da afirmação do intelectual norte-americano Gore Vidal em que ele explica que não existem pessoas homossexuais ou heterossexuais, mas atos homossexuais e heterossexuais. E o que isso quer dizer? Em resumo, significa que a homossexualidade também representa uma possibilidade de evolução, desde que essa condição possibilite a construção de uma existência pautada em valores morais. “Se os valores de uma relação homossexual forem de construção e amor ao próximo, também representam formas de processo de edificação do espírito”, comenta.
Segundo Knopak, a sexualidade é parte integrante de sua individualidade e de suas possibilidades de expressão e aprendizado no contexto material de reencarne, portanto, não cabe à religião “legislar” sobre a preferência sexual do ser humano, mas sim, orientar as pessoas para que vivam no amor e respeito mútuo.
O diácono Langa destacou ainda aquele que é o maior mandamento de todos e que deveria ser interpretado como um modelo para a vida, não permitindo questionamentos como esses que vemos atualmente: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado.” (Jo 13,34).

Compartilhe: