[kads group="topo-1"]


Mesmo sendo espírita, tenho medo de morrer. Como os senhores poderiam me ajudar?

Mesmo sendo espírita, tenho medo de morrer. Como os senhores poderiam me ajudar?

É impressionante o medo brutal que tenho de morrer, mas me refiro especificamente à hora da morte, ao sofrimento, à dor, ao passar mal, mesmo sendo espírita. Como os senhores poderiam me ajudar?

O medo da morte é uma das características importantes da nossa internação nesta etapa chamada encarnação e neste planeta chamado Terra. Este medo segue um princípio conhecido como conativo, ou seja, princípio da defesa da vida, também conhecido como instinto de autopreservação. Ao lado deste princípio há outros como o cognitivo, o afetivo e o psicomotor. Se o irmão considerar que somos espíritos imortais, vivendo mais uma entre milhares de encarnações, e que mortal é apenas o corpo, mais facilmente compreenderemos que não há morte. Há sim uma transição que segue leis construtivas e amorosas que emanam de Deus. Quanto ao sofrimento e à dor, saiba que a maioria das pessoas que desencarnam precisam ser informadas de que “morreram”, pois nem se dão conta de que a transição se efetivou. Nada liberta mais do que o conhecimento. Assim, sugerimos o processo de autoinstrução como meio de conquista do autoconhecimento e da serenidade perante a vida. Como coadjuvante no combate ao processo depressivo sugerimos práticas saudáveis, como alimentação adequada, exercícios físicos, leitura de conteúdos construtivos, sempre sob a orientação de especialistas. Atuar em frentes de assistência social também ajuda a reforçar o significado de nossa vida na Terra.

Compartilhe: