[kads group="topo-1"]


O ESPÍRITO NÃO TEM SEXO

O ESPÍRITO NÃO TEM SEXO

O espírito não tem sexo. Ou seja, a condição masculina ou feminina é uma característica da vida biológica no ambiente da Terra. E tendo em vista o processo reencarnatório, um espírito pode encarnar ora como homem, ora como mulher.

Também na visão espírita todos somos iguais perante Deus, ou, perante as leis da natureza. Em outras palavras, não há diferença entre espíritos. Não há espíritos melhores do que outros. Há escolhas diferentes entre espíritos em função dos seus universos de informações, que são diferenciados e individuais.

Porém esta consciência de igualdade ainda é muito fraca em nossa cultura. Mesmo entre espíritos de mesmo gênero, nacionalidade, etnia e religião, por exemplo, ainda encontramos com facilidade posições que representam juízo de valor de um ou de outro. Não se tem ainda, portanto, estabelecida uma cultura de igualdade, de irmandade.

A situação se agrava, o que é sabido, quando se alcança o universo com diferenças mais caracterizadas, quando nacionalidade, religião, etnia ou gênero são diferentes.

No que tange a questão do gênero, a desigualdade entre homem e mulher ainda é muito presente em nossa cultura. Trata-se de um desafio para ser superado com urgência.

Certamente as distorções existentes nos diversos setores da cultura e da sociedade  devem ser combatidas através da legislação do país e movimentos sociais. Porém a solução definitiva passa necessariamente pela atitude individual, ou seja, pelo alcance de que somos todos iguais, e pela compreensão de que as diferenças que temos não significam tratamento diferenciado perante as leis da natureza. Nesse caso o grande desafio é, já a partir do contexto familiar, passando necessariamente pelo contexto social, estabelecer uma mentalidade que promova respeito ao diferente. É, portanto, um processo de longo prazo, e que depende de ações cotidianas de todas as pessoas.

Especificamente sobre a condição da mulher na sociedade, pode-se somar um outro referencial para fortalecer a consciência de igualdade entre os espíritos, portanto entre todas as pessoas. É o processo reencarnatório. Como não há injustiça, pelo fato da natureza ser harmônica e portanto justa, o reencarne sempre acontece de acordo com o que os espíritos envolvidos precisam aprender, e também de acordo com o que podem oferecer, ensinar pelo exemplo. Ou seja, uma cultura mais aprimorada nos aspectos morais e técnicos, portanto uma sociedade mais evoluída em todos os aspectos, tende a representar oportunidade reencarnatória para espíritos em média mais evoluídos. Desta forma, cuidar da consciência da pessoa, já a partir da sua infância e da sua juventude, quanto à sua condição de igualdade para com os demais, e também quanto à sua condição de copartícipe da sociedade, contribuirá para que, gradativamente, o comportamento médio alcance níveis melhores com o tempo. Espera-se com isso reduzir ou eliminar características culturais negativas, como por exemplo, tratamento diferenciado em função de:
– classe social
– opção religiosa
– etnia
– gênero

Vislumbra-se com isso uma cultura onde o respeito pelo próximo, seja quem for, apresente-se como um fundamento inviolável.

Nelson José Wedderhoff

Compartilhe:

Sobre o Autor

Nelson José Wedderhoff

Nelson José WedderhoffEngenheiro Eletrônico; Professor Acadêmico na Faculdade Doutor Leocádio José Correia (FALEC); Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas; e Conselheiro Editorial da revista SER Espírita.

Todos os Posts de: Nelson José Wedderhoff