[kads group="topo-1"]


Perder para ganhar

Perder para ganhar

É natural e inerente à vida na Terra que todos nós tenhamos que passar por baixos e cumeadas, segundo nossas escolhas, méritos e necessidades. Também é certo que essa alternância entre momentos de profunda satisfação e de grandes desafios se dará inúmeras vezes para cada um, não havendo qualquer razão para que alguém se julgue indene dessas mudanças entre a tempestade e a calmaria.

Uma vez realizada essa constatação da natural variação entre os altos e baixos de nossa passagem pela Terra, cabe às pessoas prudentes se prepararem para superar ambos os momentos – tanto os de euforia quanto os de angústia – sempre de forma equilibrada e de cabeça erguida. Para tanto, é necessário que estejamos sempre atentos à complexa dinâmica de acontecimentos que nos envolvem de modo que possamos tentar levar em conta sempre o maior número possível de variáveis a fim de antever os resultados possíveis.

Ainda assim, posto que não nos é dado ter uma visão suficientemente ampla dos acontecimentos e suas decorrências, é certo que jamais teremos pleno domínio sobre todas as variáveis envolvidas e que o máximo que podemos fazer seria agirmos sempre com a máxima cautela possível de modo a evitarmos os reflexos negativos de algum eventual revés.

De qualquer sorte, é importante percebermos que tudo aquilo que acontece no Cosmos é decorrência da Lei Divina, não se podendo falar propriamente em acaso simplesmente porque não conseguimos avaliar essas Leis em toda a sua complexidade.

Se tudo o que se passa no Cosmos é reflexo das Leis de regência magistralmente emanadas pelo Creador, e sendo Deus o superlativo máximo de todas as virtudes – dentre as quais a Justiça e a bondade – é forçoso concluirmos que até mesmo as provações mais duras que surgirão em nossa caminhada devem ser recebidas sempre com gratidão e interpretadas como uma grande oportunidade de aprendizado e de correção de rotas.

Os espíritos orientadores da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) frequentemente nos lembram que ‘na vida muitas vezes é necessário perder para ganhar’. O aparente paradoxo pode ser mais bem compreendido com outra lição, correlata a essa, também trazida por esses bons espíritos: a de que ‘por vezes é preciso tropeçar para não cair’.

Muitas vezes, certamente sem nos darmos conta, tomamos decisões erradas em nossa trajetória, que trariam consequências desastrosas mais adiante. É como se estivéssemos caminhando de costas para um precipício sem percebermos. Ao sofrermos esses pequenos reveses, temos a oportunidade de repensar determinadas atitudes e fazermos as correções de rota necessárias para evitar uma dor maior mais além.

É, pois, sobremodo importante sabermos perceber essas aparentes derrotas não como um castigo, ou uma injustiça, mas como valorosas oportunidades de nos fortalecermos de forma suficiente para transformá-los em vitórias e evitarmos um mal maior.

Ao exercitarmos o autoconhecimento e fortalecermos nossa fé no Creador, possibilitamos a nós mesmos essa oportunidade de enxergarmos a vida com outros olhos e em sua integralidade. Isso não nos tornará blindados e nem evitará o enfrentamento dos desafios necessários, mas certamente possibilitará reações cada vez mais serenas e equilibradas.

 

 

Rodrigo Fontana França

 

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França