[kads group="topo-1"]


Se não existe destino, por que as pessoas seguem dizendo que “quando é pra ser não adianta fazer nada”?

Se não existe destino, por que as pessoas seguem dizendo que “quando é pra ser não adianta fazer nada”?

Aprendemos que o passado é imutável, o futuro é aberto e o presente é o efeito das nossas decisões do passado e causa do nosso futuro. Assim como planejamos o roteiro pra uma longa viagem, antes de nascer, cada um, de acordo com a sua prontidão, pode planejar os pontos principais da sua futura trajetória na Terra. Mesmo que nos afastemos de nosso projeto original, sempre faremos algum progresso, pois a chave da evolução não é fazer coisas grandiosas, mas tornar-se uma pessoa melhor. Se o plano era ser médico e isso não foi possível, há outras maneiras também eficientes de servir o próximo. Afinal, se uma força externa estabelece o nosso futuro, não poderíamos ser responsáveis por nossas boas ou más ações. Aqui cabe lembrar a máxima cristã: a cada um segundo suas obras. Na edição 15 da revista SER Espírita há uma reportagem e um texto explicativo sobre livre-arbítrio.

Compartilhe: