[kads group="topo-1"]


Só a mudança permanece

É comum constatarmos que muitas pessoas são absolutamente avessas a enfrentar mudanças em suas vidas. Ao menor sinal de novos desafios, perdem o arrimo e se desestruturam, julgando-se injustiçadas e levando, por vezes, um longo período até conseguirem alcançar novamente algum equilíbrio.

No entanto, ao realizarmos uma rápida reflexão, facilmente podemos perceber as inúmeras e constantes mudanças pelas quais passamos ao longo de nossa jornada aqui na Terra, quer queiramos ou não. Usualmente essas alterações podem parecer penosas à primeira vista, mas, quando o decurso do tempo nos permite o distanciamento necessário para analisá-las de forma racional, geralmente concluímos que foi graças a elas que conseguimos chegar aonde chegamos e fazer o que fizemos.

Aliás, é de se destacar que essas alterações são constantes não somente em nossa trajetória pessoal, mas também na história da humanidade e na própria natureza, tanto aqui na Terra, como também em todo o Cosmos. Seja qual for o viés analisado, sempre vamos perceber que tudo aquilo que nos cerca segue uma lei de equilíbrio dinâmico, através da qual a harmonia sempre se mantém através da adaptação e readequação dos fatores envolvidos.

Ao nos defrontarmos com as Leis Morais enunciadas por Alan Kardec no “Livro dos Espíritos”, podemos depreender que as chamadas Lei de Progresso e Lei de Destruição nos demonstram que muitas vezes, para alcançarmos o aprendizado necessário à nossa evolução, devemos passar – seja individualmente ou enquanto sociedade – por essas correções de rotas, essas re-adaptações, que ocorrem sempre dentro da mais absoluta justiça e harmonia, conquanto por vezes não sejamos capazes de percebê-las.

Quando nos apercebemos desse panorama de constantes mudanças havidas em absolutamente toda a natureza, bem notamos que seria um contra-senso acreditarmos que exclusivamente para nós tal lei não se aplicaria e que estaríamos alheios a transformações e novos desafios. Se assim fosse, estaríamos permanentemente estagnados e todo o sentido e nossa encarnação – que é de aprendizado – se perderia.

Por mais árdua que possa parecer a provação no momento em que ela está ocorrendo devemos sempre ter em mente que a cada novo dia temos a oportunidade de fazer um novo começar, de realizar novas decisões e readequar os fatores envolvidos com vistas a tirar deles o melhor proveito possível. Jamais devemos desfalecer ou nos deixar desanimar ante as adversidades ou alterações de condições que nos venham a ser impostas. Como visto, não podemos nunca esquecer que essas constantes alterações e adaptações não ocorrem somente conosco e jamais vêm em nosso malefício.

Logo, devemos procurar manter sempre a mente aberta e apta às mudanças, adaptações e novos desafios que a vida certamente há de nos apresentar. Mesmo nos momentos em que essas mudanças estão ocorrendo, devemos buscar ter a serenidade e a paciência de enfrentá-las corajosamente e da melhor maneira possível, sempre de cabeça erguida e na certeza de que independentemente de qual seja a alteração, ela virá para o nosso bem e será importante para nossa evolução. Quer queiramos ou não, as mudanças em nossas vidas serão constantes e o que definirá o êxito alcançado será exatamente a forma como iremos reagir e nos adaptar a elas.

Compartilhe:

Sobre o Autor

Rodrigo Fontana França

Rodrigo Fontana FrançaAdvogado e Coordenador de Grupos de Estudos Espíritas na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE) e no Centro Espírita Antonio Grimm (CEAG)

Todos os Posts de: Rodrigo Fontana França