[kads group="topo-1"]


Vocês trabalham com retirada de maldições?

Notamos que você utiliza o termo maldições. Há que se observar que o mistério sempre fez parte da vida humana. Aos poucos, a curiosidade associada à metodologia científica vai desvendando estes mistérios, dando-lhes uma conotação de fenômeno natural. Isso ocorreu com os fenômenos meteorológicos, com a eletricidade, com as epidemias. Por não se conhecer as causas nem tampouco como tais fenômenos ocorriam, atribuía-se-lhes a mistérios, magias, maldições, vontade dos deuses. Nos dias de hoje, ainda há muitos mistérios a serem resolvidos, frutos das limitações da ciências e do alcance do conhecimento humano. Uma das coisas que a ciência vem estudando, ainda sem consenso da comunidade científica, é a influência dos nossos padrões mentais sobre o mundo físico. Estudos avançados da Física demonstram que nossos padrões de mentalidade constroem o mundo permanentemente. O que vivemos hoje é resultado de uma construção milenar, de escolhas que nós mesmos fizemos, seja nesta ou em outras vidas. O que estaremos vivendo amanhã será consequência de nossas escolhas de hoje, em termos de padrões de mentalidade e também de ações. Se escolhemos o pessimismo, o estresse, a angústia, tais sentimentos se desdobram em padrões de mentalidade que constroem uma realidade compatível. Por outro lado, a paz interior, a fé em Deus, a prática da caridade, o exercício do amor também constroem uma realidade compatível. Analogamente, algumas das coisas estranhas que você relata, muito provavelmente têm causa no padrão de mentalidade das pessoas envolvidas, conscientemente ou não. Pelo seu relato, suas expectativas estão vinculadas a uma ordem de sucesso, de crescimento pessoal, de conquista de um espaço ampliado na sociedade. Todas estas coisas compõem a situação social em que um indivíduo eventualmente se encontra, mas não é tudo. A essência do ser, do espírito, está muito além delas. A energia lançada na direção destas coisas, todas vinculadas a uma dimensão material, é energia que não é utilizada para fortalecer o ser que se é, portanto, é como tentar construir uma casa sem alicerces. Mas então, como construir alicerces? Bem, tal construção começa pelo fortalecimento do ser que se é, independente da situação em que se encontre. A alegria de viver e a paz interior são trilhas para esta construção e estão vinculadas a uma ordem de simplicidade, de reconhecimento de si mesmo, de autoaceitação, de um profundo e sincero agradecimento pelas coisas simplesmente serem como são. Os espíritos orientadores nos alertam sobre a responsabilidade que cada um de nós tem sobre a própria condição de vida e o caminho apontado é de dentro para fora. É  importante perceber que não estamos aqui para conquistar coisas. Estamos aqui para servir e aprender. Esta simples mudança de posicionamento diante do mundo faz toda a diferença. Reconhecendo Deus como justiça absoluta, reconhecemos que não existem acasos, nem injustiças, nem maldições. Tudo é uma composição de forças naturais, algumas conhecidas, outras não. Assim, aquele que se predispõe a servir será retribuído com tudo o que for necessário para o exercício do seu papel. Este é o princípio do amor e da caridade. Para começar esta construção de dentro para fora, do alicerce para a casa, do ser interior para a sua situação social, sugerimos o exercício diário de práticas como a prece e a meditação (para atuar sobre o corpo energético e o espírito), o pensamento em Deus como justiça absoluta (para atuar na perspectiva da fé), exercícios de relaxamento e alimentação saudável (para atuar sobre o corpo físico). A leitura do Evangelho no lar (um horário semanal reservado para ler e comentar o Evangelho com a família) também auxilia no fortalecimento de um sentido moral para a vida. Se tiver dúvida sobre qualquer uma dessas práticas, escreva-nos. Para um aprofundamento do que foi comentado, sugerimos a leitura das obras básicas do Espiritismo: Iniciação Espírita, O Livro dos Espíritos, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Livro dos Médiuns e a Gênese, todos de autoria de Allan Kardec. Agradecemos pelo seu contato e confiança. Estamos à disposição para novas reflexões, se necessário.

Compartilhe: